Dicas de Saúde

Cálcio: muito além de ossos e dentes

Sempre associado a formação e manutenção de ossos e dentes, o cálcio desempenha também fundamental papel metabólico.

O cálcio é o mineral mais abundante no organismo humano representando cerca de 1,5 a 2,0% do peso corpóreo. Sempre associado a formação e manutenção de ossos e dentes, o cálcio desempenha também fundamental papel metabólico.

Ao redor de 1% do cálcio contido no organismo está presente no plasma e pode ser subdividido em 3 categorias:

  • Cálcio ionizado ou livre (50%), que é difusível pela membrana capilar.
  • Cálcio não-ionizável (10%), que é ligado a substâncias como citrato ou fosfato e também é difusível pela membrana capilar.
  • Cálcio ligado à proteínas, como albumina ou globulina (40%), que não é difusível pela membrana capilar.


A fração de cálcio ionizado é importante para a maioria das funções do cálcio no organismo como seu efeito sobre a freqüência cardíaca, sistema nervoso, coagulação sanguínea, além da formação óssea.

A estreita variação dos níveis de cálcio sérico é regulada principalmente pela ação do hormônio da paratireóide - paratormônio (PTH) - e com menor efeito pela calcitonina secretada pela tireóide.

Em situações de baixa ingestão do mineral, doenças como raquitismo, gravidez ou lactação, a menor redução da concentração de íons cálcio no líquido extracelular determina secreção do PTH e mobilização dos depósitos de cálcio (ossos) para que se mantenha níveis normais entre 9,0 a 10,0 mg/dl (2,4 mmol/l).

Se por motivos agudos ou crônicos houver queda progressiva dos níveis de cálcio, a hipocalcemia leva ao quadro de tetania, desencadeada pelo aumento da excitabilidade das fibras nervosas devido aumento da permeabilidade da membrana aos íons sódio. A tetania caracteriza-se por contração involuntária principalmente na mão, mas podendo progredir para outras partes do corpo ou evoluir para convulsão.

Outros efeitos da hipocalcemia são na hemostasia e no coração.

Na ausência de íons cálcio, não é possível ocorrer coagulação sanguínea, pois todas as etapas de coagulação da via intrínseca, com exceção das duas primeiras, dependem da presença de cálcio.

Com relação ao coração, o cálcio leva os músculos cardíacos a se contrair, quando há hipocalcemia, o coração perde sua capacidade de bombear eficientemente o sangue, ocorre "flacidez cardíaca" e lentidão na frequência cardíaca.

Alimentos ricos em Cálcio:

Alimentos ricos em Cálcio

Lacticínios: Os produtos lácteos são ricos em cálcio de uma forma que é facilmente digerido e absorvido pelo organismo. As fontes incluem leite, iogurte e queijo.

Legumes e verduras: Muitos vegetais, especialmente os de folhas verdes, são ricas em fontes de cálcio.

Tente nabiças, mostarda, couve, couve, alface, aipo, brócolos, erva-doce, repolho, abobrinha, feijão verde, couve de Bruxelas, espargos e cogumelos.

Feijão: Por uma outra fonte rica de cálcio, tente feijão preto, feijão, feijão branco, e ervilhas.


Ervas e temperos: Para um saboroso cálcio impulso, mas pequeno, o sabor a sua comida com manjericão, endro, erva tomilho, canela, folhas de hortelã-pimenta, alho, orégano, alecrim e salsa.


Outros alimentos: boas fontes de cálcio incluem salmão, tofu, laranjas, amêndoas, sementes de gergelim, melaço, e algas marinhas. E não se esqueça de alimentos enriquecidos com cálcio, tais como cereais e suco de laranja.

  • Escrito por: Isabela Cardoso Pimentel
  • Especialista em Nutrição em Cardiologia pela SOCESP
  • Nutricionista clínica Hcor/SP

Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia